Entenda por quê cientistas apontam imunidade coletiva em Manaus

A professora da USP Ester Sabino e o repórter Rafael Garcia explicam os detalhes da pesquisa que indica que até 66% dos habitantes da cidade já tiveram Covid
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on twitter

Manaus – Um estudo feito com amostras de sangue doadas ao hemocentro de Manaus revela que a cidade pode ter atingido a imunidade de rebanho contra a Covid-19. Pesquisadores da USP, em parceria com outras instituições como as universidades de Harvard e de Oxford, analisaram mais de 6 mil amostras de sangue colhidas entre 7 de fevereiro e 19 de agosto.

Depois de aplicar correções para eliminar distorções dos testes, concluíram que entre 44% e 66% da população de Manaus já foi exposta ao coronavírus. A imunidade de rebanho é um dos fatores levados em consideração nas previsões sobre a evolução da pandemia. Nos Estados Unidos, um grupo de epidemiologistas da Universidade de Princeton traçou oito cenários possíveis. Nas previsões mais pessimistas, a Covid pode voltar com força anualmente.

A imunidade de rebanho explica a redução do número de casos em Manaus? Isso eliminaria o risco de uma segunda onda da doença? Qual seria o custo de esperar a imunidade coletiva em grandes cidades, como São Paulo? É possível dizer que o pior da pandemia já passou? No Ao Ponto desta  quarta-feira conversamos com a professora da Faculdade de Medicina da USP Ester Sabino, autora sênior do estudo sobre Manaus, e com o repórter Rafael Garcia. 

Fonte: O Globo

Relacionado Posts