Pré-candidato à Prefeitura de Manaus, Roberto Cidade (UB) esteve na noite desta quinta-feira, 20/6, nos bairros Lírio do Vale 2 e Redenção, zonas Oeste e Centro-Oeste, respectivamente, para apresentar o Plano de Governo de sua pré-campanha e também escutar as demandas da população. Nas duas localidades, os moradores reclamaram, sobretudo, da assistência médica deficiente e da falta de creches e vagas na rede municipal de ensino fundamental.

No Lírio do Vale 2 reclamaram também da falta de espaços de esporte e lazer para a população. “Manaus tem urgências e prioridades. Vamos atacar primeiro as urgências, mas sem deixar de olhar para as prioridades. Por isso, vamos recriar a Secretaria Municipal de Esportes. Hoje os recursos não chegam porque essa secretaria não existe e, todos nós sabemos que, mais do que uma fonte de lazer, o esporte muda vidas”, declarou.

Sobre o tema, o deputado estadual João Luiz (Republicanos) reforçou que a falta de uma secretaria de esporte impede que se desenvolva um trabalho macro no município. “É muito bonito gravar vídeos para o Brasil e para o Exterior dizendo que Manaus é uma cidade esportiva, mas quem está no bairro e que precisa que o filho esteja dentro de um projeto esportivo vê que não tem nada. O município não tem sequer uma secretaria de esportes, quanto mais trabalho. Hoje é a Secretaria de Esporte Estadual que faz a função que a municipal deveria fazer. É o Governo do Amazonas que está segurando essa cidade”, afirmou.

Creches

Pré-candidato à Câmara Municipal de Manaus (CMM), Léo Rodrigues (Podemos) reclamou sobre a falta de creches.

“O Lírio do Vale é uma área populosa e não temos uma creche municipal aqui. Com os R$ 42 milhões que o ‘prefeito Picasso’ gastou pintando a cidade daria para fazer 22 creches em Manaus, que permitisse que as mães pudessem sair para trabalhar e deixar os filhos em segurança. Peço que você, Roberto Cidade, olhe para essa questão tão importante para o nosso povo”, sugeriu.

Além da falta de creches, o pré-candidato à reeleição Diego Afonso (UB) relembrou que a atual gestão prometeu asfaltar 10 mil ruas e não cumpriu.

“Manaus hoje tem um prefeito negligente, que não conseguiu asfaltar nem duas mil ruas, que não arborizou a cidade e que não trabalhou para deixar ela mais limpa também. Até como pintor é um mau pintor. Não conseguiu pintar nem as praças da nossa cidade. É por não concordar com esse ‘chefinho do executivo’, que não tem gestão, que precisamos mudar Manaus”, declarou.

Redenção

Líder comunitário no bairro Redenção, Mário José, apresentou ao pré-candidato à Prefeitura de Manaus algumas das principais necessidades dos moradores, dentre elas a falta de creches, de transporte coletivo de qualidade e de desassoreamento de igarapés.

“A Redenção está esquecida. Não temos transporte de qualidade, não tem creche e os igarapés precisam ser desassoreados. Uma criança morreu no igarapé porque o Poder Público não fez a parte dela. Isso é muito sério. Não é brincadeira administrar Manaus. Todos nós queremos e merecemos ter uma melhor qualidade de vida”, falou.

Propostas urgentes

Além de escutar as demandas da população, Roberto Cidade tem apresentado as três propostas mais urgentes do seu Plano de Governo. Nas zonas Oeste e Centro-Oeste, falou aos moradores sobre o impacto que o Auxílio Municipal Permanente e a implantação das 12 Unidades de Pronto Atendimento (UPA) irão causar na vida dos moradores de Manaus.

“Manaus é a 5ª capital do País em arrecadação, mas é também a cidade que tem 500 mil pessoas cadastradas no Cadúnico, ou seja, que estão em situação de miséria. Vamos criar o Auxílio Municipal Permanente para 50 mil famílias. Esse benefício será – 70% dele – em nome das mulheres, que são quem cuidam das famílias. Iremos criar 12 UPAs (Unidades de Pronto Atendimento), com funcionamento 24 horas. Esse é um compromisso meu. Ninguém aguenta mais a gestão que está aí, que prometeu muito e não entregou nada. Nós precisamos de ruas asfaltadas, sim, mas não podemos esquecer das pessoas que passam fome. Na nossa gestão, nós iremos cuidar das pessoas. Bora mudar Manaus, mas com responsabilidade”, finalizou.