Foto: Reprodução

Da Redação

MANAUS – Os advogados de Joabson Agostinho Gomes e Jordana Azevedo Freire, suspeitos de envolvimento na morte do sargento Lucas Guimarães, solicitou à Justiça que eles passem a cumprir prisão domiciliar com tornozeleira eletrônica.

O pedido foi feito nessa quinta-feira, 23, e está na Central de Inquéritos do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM).

Proprietários da rede de supermercados Vitória, Joabson e Jordana estão em prisão temporária; ele no Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM 2) e ela no Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF).

Os dois foram presos na terça-feira, 21, logo depois de se entregarem na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS). O crime ocorreu dentro de uma cafeteria no dia 1º de setembro deste ano. A motivação seria um caso extraconjugal entre Lucas, que era genro do dono do Hospital Santa Julia, e Jordana, que teria ainda desviado dinheiro da rede de supermercados para dar ao amante.