O Amazonas se encontra em estado de calamidade pública. As autoridades governamentais buscam diversas formas de solucionar os crescentes números de internações nos hospitais por causa do covid-19, entretanto, o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio Neto, que longe do cenário político, busca apagar os erros de sua gestão e chamar a atenção com politicagem.

Arhur Virgílio vêm se posicionando duramente contra as ações do governo estadual e municipal para conter o avanço da pandemia. O que está sendo questionado pelos internautas e pela população amazonense, que entende que essa atitude é uma forma de Arthur tirar o foco da sua esposa Elisabeth Valeiko, que recentemente foi alvo de uma operação do Ministério Público, pelo envolvimento em lavagem de dinheiro, peculato, tráfico de influência, corrupção ativa e passiva e, também, de se atrair a simpatia dos opositores.

Vale lembrar que no ano passado, no período mais crítico da pandemia na capital, Arthur Neto, em parceria com o grupo Samel, construiu o hospital de campanha, para desafogar o sistema estadual de saúde, oferendo novos leitos clínicos e de UTI. Pouco mais de dois meses após a inauguração do hospital, Arthur, anunciou que o mesmo iria deixar de atender novos pacientes, devido a redução de casos da doença na capital. O que foi duramente criticado pelas autoridades e especialistas, por seu uma atitude precipitada e equivocada e que poderia custar a vida de muitas pessoas. Mesmo assim, Arthur, fechou o hospital. Sem pensar duas vezes que poderia precisar novamente da estrutura física e pessoal do hospital.

Poucos meses mais tarde, em dezembro de 2020, quando o governador do Amazonas determinou o fechamento do comércio, por 15 dias, por meio de decreto visando frear alta de casos e internações por Covid-19, Arthur Virgílio, ainda na posição de prefeito se pronunciou contra a decisão.  “Por que não fez antes?”, questionou o prefeito sobre a determinação. Arthur comentou também que quando há fechamento da loja de um comerciante, outros empregos indiretos são afetados.

Contraditório e sem credibilidade, Arthur, tentou atribuir o aumento de casos de Covid-19 em Manaus à flexibilização do comércio, festas de fim de ano e ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) criticando as festas.

“Aberturas precipitadas e o mau exemplo presidencial desestimularam o uso da máscara e do álcool em gel. As festas continuaram e todos, ou quase todos, deram a Covid como derrotada”, afirmou ele em suas redes sociais.

O Governador do Estado Wilson Lima usou as redes sociais para responder á altura uma acusação leviana do ex-prefeito, que o acusava de “homicida”

Arthur Neto teve um mandato marcado por escândalos, especialmente na esfera familiar e financeira. Foi acusado várias vezes de usar a máquina pública para favorecer o enteado  Alejandro Valeiko, acusado de participação no assassinato do engenheiro Flávio Rodrigues, com outras quatro pessoas, no ano de 2019.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui