A volta do Rei David Assayag ao boi bumbá garantido foi motivo de comoção e revolta nas mídias sociais, porém levantou uma dúvida pertinente. Quais recursos a associação folclórica está usando para bancar o custo, não só do retorno de Assayag ao bumbá Garantido, mas os custos de outros dois artistas caros, eles Edilson Santana e Sebastião Júnior?

De acordo com informações de fontes dentro da própria diretoria da Associação Folclórica Boi Bumbá Garantido, os custos da contratação fazem parte de um acordo entre o recentemente eleito, presidente do Garantido, Antônio Andrade e o compositor Vanderley Alvino.

Alvino, além de compositor é um antigo conhecido do festival de Parintins. Passou anos afastado por conta de acusações no ano de 2015, quando foi denunciado por um esquema de compra de jurados no festival de Parintis a fim de favorecer o boi vermelho e branco.

“A Associação Folclórica Boi-Bumbá Caprichoso apresentou na tarde deste sábado (25/05/2015), sua defesa sobre as supostas alegações da agremiação concorrente, sugerindo que por meio de conversas do aplicativo whatsapp, o fiscal do Garantido, Vanderley Alvino, teria mantido contato com o Manoel Junior para, antecipadamente, convidá-lo para ser jurado do Festival Folclórico de Parintins.”

Amazonas Notícias.

O presidente da atual gestão chegou inclusive a cortar o pagamento do acordo feito com a ex-cunhã poranga Jacqueline Soares de Oliveira que quase morre na arena do bumbódromo ao cair de um cabo de aço de uma altura aproximada de 10 metros no dia 29 de junho de 1994. Jacqueline teve fraturas nos dois pés e ficou com sequelas causadas pelas lesões.

Em 2017 e o acordo deveria ser concluído em 2021, entretanto, Antônio Andrade prefere ostentar dinheiro com contratação de itens que cumprir os acordos do bumbá vermelho e branco.

Para membros das diretorias, tanto do Caprichoso quanto do Garantido, o atual presidente Antônio Andrade representa uma ameaça ao futuro dos bumbás e do próprio festival.

“De onde Antônio Andrade tirou dinheiro para a contratação de David Assayag, Edilson Santana e Sebastião Jr? Os bumbás estão endividados, o Garantido perdeu parte do seu patrimônio para a Samel e na teoria só entra dinheiro se tiver Festival Folclórico. De acordo com o que apurou a reportagem, os três cantores juntos somam R$ 360 mil com parte desses valores pagos adiantados. Só David Assayag custará aos cofres do Boi Garantido R$ 160 mil.”

Segundo informações apuradas, o Garantido passa por problemas financeiros graves, a ponto de promoverem em sua rede social uma cotinha pública para a limpeza da conhecida ‘Cidade Garantido, localizada na Baixa do São José, em Parintins.https://ad.lomadee.com/banner/view?sourceId=36533756&dimension=2&width=468&height=60&method=1&advertisers=5632,5798,5766&tags=https://ad.lomadee.com/banner/view?sourceId=36533756&dimension=9&width=350&height=350&method=1&advertisers=6456,6826&tags=

Além da limpeza da abandonada Cidade Garantido, o bumbá tem histórico de dar calote em seus artistas, sendo um dos motivos que levaram David Assayg a deixá-lo em 2010.

Além de supostamente financiar as contratações, Alvino, de acordo com informações dos bastidores, financiará uma festa do Garantido em Manaus nas próximas semanas, já com os levantadores de toada oficiais.

Ao que tudo indica o Festival de Parintins corre o risco de cair em desprestigio, pondo em risco o polo turístico do munícipio. A compra de jurados e títulos é um fantasma que assombra o boi vermelho e branco, e mais uma vez retorna a por a cultura amazonense sob grande risco.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui