TBT: “Conservador e de direita”, vice de Alberto Neto já foi dono de boate gay e responde por homicídio

O candidato da "família tradicional" ,Orsine responde processo pelo homicídio de um homem de 19 anos e já foi dono de uma boate LGBTQ+, que até já faliu
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on twitter

Eleições – Após ser descartado por Amazonino Mendes (Podemos) como vice, o empresário Orsine Júnior (PMN), correu para o lado do Capitão Alberto Neto (Republicanos) na disputa pela prefeitura de Manaus.

O agora vice de Alberto Neto, Orsine Júnior afirma ser apoiador do presidente Jair Bolsonaro e que é “conservador” de direita. O empresário quer aproveitar da chamada “onda bolsonarista” de Manaus para concentrar o máximo de votos possível.

O que muita gente não sabe, é que Orsine responde a um processo (atualmente parado) pelo homicídio de um homem de 19 anos no bairro Monte Sinai, Zona Norte de Manaus, no ano de 1999.

Conservador já foi proprietário de boate LGBT

Outro dado curioso sobre o empresário “conservador” e apoiador de Bolsonaro é que Orsine já foi proprietário da casa noturna “Pin Ups Club”, voltada ao público LGBTQ+.

O estabelecimento localizado no Centro da cidade, faliu por atraso no pagamento do aluguel do prédio.

Impunidade: Orsine foi responsável pela morte de um jovem no bairro Monte Sinai

Em 1999, o jovem José Aglailton da Conceição, na época com 19 anos, foi atropelado e morto enquanto voltava para sua casa localizada no bairro Monte Sinai, Zona Norte da cidade. O condutor do veículo responsável pelo assassinato do jovem, era o ex-secretário da Amazonastur e braço direito do ex-governador Amazonino Mendes, Orsine Rufino De Oliveira Junior.

A vítima não resistiu aos ferimentos e acabou morrendo enquanto estava sendo encaminhado ao hospital 28 de Agosto. Outras duas vitimas também foram encaminhadas ao Hospital, Ricardo Nilo Mafra (19), Pedro Taumaturgo Gomes (19) ambos com ferimentos leves.

Procurado pela justiça, o braço direito de Amazonino, não foi encontrado em sua casa. Informações de vizinhos deram conta que Orsine Júnior havia viajado para interior do Estado do Amazonas, como diz trecho da intimação emitida pelo poder Judiciário

“Orsine Antonio Ribeiro em virtude de não localizar o mesmo no aludido endereço, sendo informado pelo senhor Marco Antonio Ribeiro de que o senhor Orsine Rufino se encontra viajando para o intereior do estado do Amazonas, não sabendo informar a data precisa de seu retorno e por este motivo devolvo o referido mandado ao Cartório de origem para devidas providencias.” No ano de 2005 tentaram entrar em contato com ele, mas sem retorno.

Após vinte anos da morte de Aglailton, o autor do homicídio continua impune. O caso hoje esta nas mãos da justiça do Amazonas que tenta achar uma forma de fazer com que os responsáveis respondam pelos seus crimes. Orsine também já coordenou campanhas eleitorais de Amazonino Mendes.

Nos últimos meses, Orsine também andou patrocinando publicações para ganhar notoriedade no meio político, o que reforça a idéia de que ele seja o escolhido de Amazonino para ser seu vice.

Venda da Amazonas Energia em 2018, favoreceu a família de Orsine Júnior

Após inúmeros adiamentos, a concessionária Amazonas Energia foi arrematada pelo consócio formado pela Oliveira Energia no ano de 2018, empresa que tem como um dos sócios, Orsine Rufino de Oliveira, pai do ex-secretário da Amazonastur e homem de confiança do ex-governador Amazonino Mendes (podemos).

A venda da concessionária rendeu rios de dinheiros para a família do braço direito de Amazonino, ocasionou em uma enorme repercussão negativa por parte da população do Amazonas, por não concordarem com as políticas internas do novo “dono” da concessionária de energia elétrica.

Cortes na rede elétrica de inadimplentes durante o período de pandemia de Covid-19

Durante o período de pandemia de Covid-19, foi determinado pelo governo, a proibição de cortes na rede de energia elétrica de consumidores que estivessem com contas atrasadas com as concessionárias que fornecem energia elétrica, porém, no Amazonas a determinação não foi cumprida.

Muitos consumidores acionaram o Procon (Programa de Defesa do Consumidor), para denunciar a Amazonas Energia por cortes indevidos durante o período de quarentena de coronavírus. Muitos dos cortes de energia foram realizados em bairros carentes da cidade de Manaus.

Alguns consumidores chegaram a informar que tiveram a energia cortada em finais de semana, o que é proibido por lei.

Relacionado Posts