Chamada de fofão, trans Juju Oliveira abre vaquinha para custear tratamento

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on twitter

Do Extra

Juju Oliveira, a transexual que ficou conhecida após mostrar um procedimento estético mal feito no rosto e ser chamada de Fofão, decidiu aderir a uma vaquinha para que ela possa se livrar do silicone industrial que deformou suas bochechas. O dinheiro arrecadado servirá para custear as consultas médicas e a cirurgia, que serão feitas em São Paulo.

Como mora em Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, e não possui plano de saúde, Juju terá que pagar pelo tratamento. Embora, no início, tenha ficado relutante com a decisão de abrir um financiamento coletivo, ela não teve outra escolha. Até agora foram arrecadadas cerca de R$ 3,5 mil e a campanha está aberta.

O que levou ainda muitos perfis falsos tentarem abocanhar uma fatia do que Juju conseguiu: “Não tenho outros perfis e não estou pedindo dinheiro. A vaquinha está valendo, mas tem muita gemnte se aproveitando para ficar na aba das pessoas. Não acreditem se pedirem dinheiro em meu nome. Meu nome é o que está na vaquinha, o nome que está registrado no meu documento”, alerta ela, chamando atenção para seu nome de batismo, Everton Luis de Oliveira.

Entenda o caso

Por trás do rosto inchado pelos 250ml de silicone industrial aplicados em pontos da face existe uma história como a de muitos travestis e transexuais no Brasil. O drama de Juju Oliveira, gaúcha de Passo Fundo, não está somente no fato de ter virado chacota e ganhado o apelido de Fofão por causa das bochechas parecidas com as do personagem famosos dos anos 80. Desde os 14 anos, ela combate o preconceito, que começou na própria casa.

Dona de uma personalidade forte, ela conseguiu que seu apelo fosse atendido por médicos que se disponibilizaram a ajudá-la na reversão do procedimento que fez no rosto. “Eu só queria uma harmonização e fiz isso. Tive minha culpa também por confiar numa pessoa que fugiu sem deixar pistas, um nome e um endereço. Se eu soubesse quem é de verdade, eu mesma teria denunciado”, diz: “Agora, os médicos me disseram que podem me ajudar a retirar o produto do rosto. Se vou voltar a ser a mesma de antes, não garantem”.

Os seguidores de Juju queriam organizar para ela uma vaquinha. Mas ela recusou. “Não quero dinheiro. quero ajuda. Nunca fiz vídeo para querer dinheiro de alguém. mas para pedir respeito e que as pessoas entendessem minha tristeza e meu incômodo”, justifica.

Expulsa de casa

Ao manifestar os primeiros sinais de que não se enxergava num corpo masculino, Juju diz que foi totalmente incompreendida. Filha do meio entre duas irmãs, a gaúcha de 30 anos foi expulsa de casa pelos pais. “99% dos travestis que estão nas ruas foram expulsos pelas famílias. Aos 14 anos tive que ir para a rua. Só encontrei lugar numa boate, que me acolheu, me dando um lugar para dormir e um prato de comida. Ali fui ficando e comecei a me prostituir”, recorda, mencionando uma prática criminosa de aliciamento de menores: “Hoje em dia, tudo é mais controlado. Mas naquela época, quanto mais novas, melhor para eles. Uma mina de dinheiro. Mas o que podemos fazer? Eu precisava de um teto, um chuveiro para tomar banho, ter o que comer”.

A hora da verdade

Juju diz que não vê a hora de se livrar do silicone que percorreu seu rosto e desceu para o pescoço. Ela se preocupa com a estética, mas antes de tudo com a saúde, já que não sabe o que a substância causou em seu organismo. Após fazer um vídeo pedindo ajuda e apelando para a empatia das pessoas que debocham dela, a transex ganhou a solidariedade das redes sociais. Mas ela não se engana. “Infelizmente no país que a gente vive, com a homofobia que existe, acho muito difícil atingir o coração das pessoas. Eu posso provar que este não foi apenas um pedido de respeito. Isso é uma demonstração de preconceito puro. Porque além de passar pelo preconceito de ser transexual, por ser travesti, ainda sou alvo do preconceito pela aparência. Por um erro meu. Por ter procurado uma pessoa sem qualificação para mexer no meu rosto”, avalia.

Juju diz que ela só espera se livrar do inchaço: “Não preciso nem ficar bonita. Pedi ao médico para tirar esse inchaço para que nunca mais eu seja chamada de Fofão. E não é pelo personagem, a comparação. Eu só quero viver de novo como uma pessoa normal. Mas digo, quanto mais batem nas minhas costas, mais eu sobrevivo”.

Relacionado Posts