Estudante denuncia assédio sexual e tentativa de estupro por veterinário em clínica no Manoa

A vítima denunciou o suspeito através das suas redes sociais. A clínica veterinária fica localizada no conjunto Manoa, Zona Norte de Manaus
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on twitter

Manaus – Na noite da última quinta-feira (10), a estudante recém-formada do curso de medicina veterinária, Bianca Alves de 21 anos, utilizou suas redes socias para denunciar ter sido vítima de assédio sexual e tentativa de estupro por parte do médico veterinário Pedro Monteiro da Silva Júnior, em uma conhecida clínica do ramo localizada na rua Arace, conjunto Manoa, Zona Norte da cidade.

Segundo a publicação de Bianca, ela informou estar muito humilhada e constrangida pela situação, porém, disse que sentiu a necessidade de expor o veterinário. “Eu sei que não fui a única, mas quero garantir que serei a última”, disse a profissional veterinária.

Ela ainda afirma que o convite para o seu primeiro plantão na clínica foi pago pelo acusado e sua conjugue, na última quarta-feira (9), quando foi até o local o local entregar um presente para uma outra veterinária, que conseguiu o primeiro estágio para Bianca.

A vítima, disse que estava feliz por realizar seu primeiro plantão pago, mas chegando à clínica pela parte da noite, ela informou que o veterinário Pedro Monteiro começou os assédios com diálogos inapropriados como sexo e nudez, falando inclusive “sobre como transava loucamente com a antiga recepcionista quando sua esposa não estava por perto”, disse.

Após as recusas da vítima, Bianca disse que o acusado ainda continuou insistindo nos assédios oferecendo até dinheiro em troca de sexo, dizendo “que toda mulher gosta de dinheiro e só aceita por medo de ser julgada”. A bítima diz que não sabe exatamente o tempo que ele a manteve trancada na clínica tentando beija-la, acariciando enquanto a segurava com força e até mesmo se masturbou na frente de Bianca.

A vítima ainda disse “Não desejo isso a ninguém, a dor, o desespero e a angústia que fui marcada com esse trauma”. Após o ocorrido, Bianca recorreu ao 6º DIP (Distrito Integrado de Polícia), onde registrou um Boletim de Ocorrência.

A reportagem do Portal Baré tentou entrar em contato com o acusado, mas até o fim da matéria, não obteve nenhum retorno.

Nota da Cínica

Com informações de Radar Amazônico

Relacionado Posts