Flordelis: ‘Não mandei matar meu marido, não tenho o que esconder’

Mesa da Câmara encaminhou à Corregedoria o caso da deputada, denunciada pelo Ministério Público como mandante da morte de Anderson do Carmo
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on twitter

Brasil – A deputada federal Flordelis, denunciada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro como a mandante do assassinato de seu ex-marido, negou nesta terça-feira (1) as acusações da Promotoria e afirmou estar sendo condenada “sem nem ter direito a julgamento”.

“Muito tem sido dito na mídia, das formas mais cruéis, sem que eu tenha qualquer chance de defesa. Estou sendo condenada, sem nem ter direito a julgamento”, escreveu Flordelis nas redes sociais.

“Eu não tenho o que esconder, eu não mandei matar o meu marido. Se alguém perdeu com a morte dele, fui eu, ele era tudo pra mim, meu companheiro que me ajudava e me guiava, inclusiva em todos os aspectos práticos da vida”, acrescentou.

A parlamentar pediu para que olhem para a sua trajetória. “Não há nada do que possam me acusar, sempre fui uma serva de Deus, vivendo o caminho que Ele traçou para mim. Antes de me sentenciarem, me deem o direito de defesa.”

Câmara dos Deputados

Ainda nesta terça, a Mesa Diretora da Câmara dos Deputados deliberou enviar à Corregedoria o processo de cassação do mandato de Flordelis. Os documentos serão analisados pelo corregedor, deputado federal Paulo Bengtson (PTB-PA), que deve enviar o relatório na próxima semana. Em seguida, remete o parecer à Mesa Diretora que, se julgar procedente, encaminha para análise do Conselho de Ética. Depois, o caso deve ser apreciado por todos os 513 deputados.

O presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) afirmou que o direito de defesa de Flordelis será respeitado, “mesmo sendo um caso de fato muito grave e muito constrangedor para todos”. 

“Nós vamos abrir o prazo, a deputada vai fazer sua defesa. O que nós precisamos é na parte que cabe tanto ao corregedor, como a Mesa e depois ao Conselho de Ética que o prazo utilizado seja o menor possível. Agora, cumprido o prazo dela, o que nós queremos é que, tanto o Corregedor quanto a Mesa e o Conselho de Ética possam avançar, respeitando os prazos regimentais, mas não deixando que esse assunto leve muito tempo para ter uma solução dentro da Câmara dos Deputados”, disse Maia.

Relacionado Posts