Advogado de policial diz que George Floyd morreu de overdose e nega asfixia

"Dado seu nível de intoxicação, respirar teria sido difícil", disse o advogado Earl Gray
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on twitter

Mundo – O advogado de um dos policiais que são apontados como cúmplices da morte do ex-segurança George Floyd afirmou que a causa da morte foi overdose, e não asfixia, apesar dos vídeos mostrarem um dos oficiais sufocando Floyd com o joelho. O assassinato do homem negro, em Minneapolis, gerou uma onda de atos antirracistas pelos Estados Unidos e pelo mundo.

“Enquanto tentava evitar sua prisão, sozinho, o Sr. Floyd teve uma overdose de fentanil. Dado seu nível de intoxicação, respirar teria sido difícil, na melhor das hipóteses. A falha intencional do Sr. Floyd em obedecer ordens, juntamente com sua overdose, contribuíram para sua própria morte”, afirmou o advogado Earl Gray, que defende o ex-policial Thomas Lane, à KUTV de Minneapolis.

Gray alega que Floyd engoliu entorpecentes antes de ser detido. Lane foi libertado em junho após pagar fiança. Apesar de livre, Thomas Lane, continua sendo processado por sua cumplicidade no assassinato e pode voltar à prisão caso seja condenado. Outros dois oficiais também pagaram fiança.

Novos vídeos divulgados no início deste mês mostram Floyd implorando aos policiais para que não atirem nele antes de ser asfixiado pelo joelho do policial Derek Chauvin.

Relacionado Posts