Vídeo mostra patrão agredindo funcionária em padaria de Manaus

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on twitter

Um homem foi flagrado agredindo sua funcionária, em Manaus (AM). A agressão foi gravada por câmeras de segurança do estabelecimento.

N F de 23 anos, estava trabalhando de atendente, quando foi agredida com chutes, empurrões, e socos pelo patrão na frente dos clientes. A agressão ocorreu na padaria Jennifer localizada na rua Guaiapó, bairro Jorge Teixeira, Zona Leste de Manaus. A vítima também afirma que sofria assédio sexual do agressor. “Ele falava imoralidades, mas ele não é assim só comigo. É com todo mundo. ” relatou a vítima.

N F tem uma filha de 2 anos com o filho da proprietária da padaria, mas ambos não mantém um relacionamento. Ela deixou a casa onde morava com seu pai, no município de Iranduba, localizado a 9 quilômetros da capital amazonense, para ir morar em Manaus, na casa da avó paterna da criança. Passados alguns meses, N F foi convidada a trabalhar na padaria da família do pai de sua sua filha, pois morava “de favor” e precisava retribuir a ajuda que recebia para criá-la. Ela iniciava o trabalho às 4h30 da madrugada e só largava às 14h, sem descanso. Para essa jornada de trabalho, a jovem recebia uma ajuda de custo de R$ 100 por semana.

Segundo N F, era durante as ausências da proprietária do estabelecimento, que os abusos aconteciam. Djalma Silva (o homem que aparece nas filmagens), 40 anos, marido da proprietária da padaria, era quem praticava o assédio. Na quinta-feira (18/06), por volta das 7h30, no momento em que N F estava atendendo um cliente, o patrão resolveu agredi-la. Segundo N F, ela estava usando uma máscara (para se proteger do Covid-19), que em determinado momento passou a incomodar, foi quando ela a abaixou por alguns minutos, Djalma, que a observava de longe, se aproximou dela e reclamou do porquê dela estar sem o acessório. N F respondeu que era só por enquanto. Foi nesse momento que o suposto patrão a empurrou, a chutou várias vezes e a ofendeu verbalmente com diversos palavrões. O cliente que estava na padaria no momento da agressão, conseguiu intervir e parar com a violência.

N F saiu da padaria e foi até o 30º Distrito Integrado de Polícia e registrou um Boletim de Ocorrência. Maria também se dirigiu junto com um amigo, ao Serviço de Apoio Emergencial da Mulher (SAPEM) e e recebeu um encaminhamento para o Centro Estadual de Referência e Apoio à Mulher.

Relacionado Posts